Estante

Objectivos:

Pretende-se o desenvolvimento de uma estante na qual os elementos construtivos são montados e desmontados sem qualquer auxílio de elementos de ligação comuns, como parafusos, pregos, malhetes ou outros. 

 

 

Ficha técnica:

Estante

Materiais: Lona, linhas, ilhóses, ganchos metálicos, borracha, elásticos, madeira, tubos de PVC e alumínio.

Dimensões: 185 cm x 150 cm x 60cm.

Data: Jul./ 2002

Encaixes da estrutura.

 

 

Encaixes da base.

Recuperação da Sinalética do Circuito

Introdução:

Este projecto foi desenvolvido na disciplina de Ergonomia, esta é uma ciência que tem por objectivo adaptar as condições de utilização durante a manipulação de objectos às capacidades fisiológicas e psíquicas do homem de modo a conseguirem-se os melhores resultados dessa manipulação sem que se coram riscos de saúde e tornando mínimo o desgaste biológico. Logo a abordagem neste projecto recaio sobre a sinalética do percurso, a procura de mais informação benéfica para o utilizador, recorrendo desta forma a informações de prática desportiva.

 

Ficha técnica:

Recuperação da Sinalética do Circuito de Manutenção

Materiais: Vinil (preto e cinza) sobre PVC e madeira.

Dimensões: Variável, 170 cm x 42 cm ou 160cm x 30cm.

Data: Abr./ 2002

 

 

Objectivo:

A proposta foi reconstruir um circuito de manutenção na cidade das Caldas da Rainha, tentou-se reabilitar um espaço que proporciona um momento de paragem, benéfico para o corpo e para o espírito.

O circuito estava muito danificado, completamente abandonado.

As placas, em metal pintado, foram de tal modo destruídas pela acção dos agentes erosivos que nalguns casos é quase impossível determinar de que estação se trata, é difícil seguir a sequência do percurso porque os pontos de orientação são quase inexistentes, outro problema, foi o facto de as placas não se encontrarem posicionadas na direcção de quem percorre o circuito

Há ainda a questão de se encontrarem fixas nas árvores. Quanto a este aspecto, apesar de se ter investigado bastante sobre o assunto e concluído não ser prejudicial para os pinheiros (partindo do princípio que algumas precauções são tomadas), parece sempre que se está a abusar da natureza que nos acolhe, não parecendo esta uma boa solução.

Por outro lado as placas encontram-se também a demasiada altura, não proporcionando uma posição confortável para o utilizador que as tenta ler.

Dado este circuito ter sido feito inicialmente para ser utilizado só por militares, tinha apenas em cada placa o número da estação a que correspondia e a ilustração do exercício, faltando assim várias informações importantes, como a descrição do exercício, o número de vezes a ser executado, etc.

Não existem também placas quer no início, quer no final do percurso que dariam informações importantes relativamente ao aquecimento e ao relaxamento.

Por outro lado as placas encontram-se também a demasiada altura, não proporcionando uma posição confortável para o utilizador que as tenta ler.

Deu-se conta ainda de outro problema. Parte do circuito atravessa uma estrada com um certo movimento que, se pode tornar um perigo para os atletas.

Postos os problemas a solucionar, o próximo passo será levar a cabo uma pesquisa aprofundada, dentro do lettering e da medicina desportiva.

 Sinalética em formato A2

 

 

 

 

 

 

Sinalética do Circuito

O objectivo da sinalização é transmitir rápida e facilmente uma mensagem. Esta é uma das inúmeras formas de Comunicação.

 

Emissor à   Mensagem  à   Receptor

 

Este processo deve ser de tal modo eficaz que nenhuma informação se perca. O receptor deverá receber a mensagem na sua totalidade e esta não pode ser ambígua.

Tendo isto em conta, todo o lettring das placas foi profundamente estudado.

Começando pelas dimensões das placas, pretende-se que estas sejam legíveis a cerca de 1.5/2 m de distância. Que dimensões usar?

Usando a fórmula:

Área do Sinal  ³  Distância de visualização 2

                                        2000

 

Para 1.5 m: Área do Sinal  ³  (1,5m) 2 =  2,25 = 0,001125 m2

                                          2000        2000

 

Para 2.0 m: Área do Sinal  ³  (2 m) 2 =     4    = 0,002 m2

                                        2000       2000

 

Foi-nos proposto escolher uma medida standard (A1, A2, A3, A4), devido a umas limitações orçamentais.

 

Temos que a área de uma folha A3 é: 

 

L = 29.9 cm = 0.299 m

                                            à      0.299 m  x  0.42 m =  0.12558 m2

H = 42 cm = 0.42 m

 

Ora, 0.12558 m2  ³  0.001125 m2  e  0.12558 m2  ³  0.002 m2 , o que significa que a área de uma folha A3 é suficiente para o pretendido.

Sinalética em formato A3

 Sinalética em formato A2

Passando agora ao texto, procurou-se um tipo de letra simples, de modo a permitir uma leitura rápida, ou seja, caracteres estilizados de formas arredondadas, abertas e sem serifas. Tentámos fugir a tipos de letra mais originais, que, apesar do seu aspecto gráfico mais arrojado acabam por se tornar demasiado agressivos e pouco eficazes.

O quadro seguinte demonstra a comparação entre alguns caracteres “Century Gothic” (o tipo de letra escolhido) e outros que também analisados:

Como se disse anteriormente, pretende-se que o texto seja legível a cerca de 2 metros de distância e, se é para se adaptar a um indivíduo que está a fazer exercício, não se espera que este perca mais de alguns segundos a ler a placa, porque se corre o risco de que eventualmente não leia até ao fim.

Tem de ter em consideração que ao praticar exercício se devem evitar fazer paragens, ou seja, evitar a quebra de ritmo e o arrefecimento dos músculos. E também por outro lado temos de ter noção de que o circuito se destina na sua maioria a indivíduos sem preparação física e com poucas noções de como se deve praticar exercício. Portanto, ao fazermos com que as placas sejam interpretadas nuns segundos, estamos também, de certa forma, a incutir um certo ritmo ao exercício.

 

Sendo assim, optou-se por usar a conjugação maiúsculas/minúsculas, já que isso facilita a leitura.

Outro factor considerado foi o espaçamento dos caracteres, vejamos alguns exemplos:

 

Correr e saltar obstáculos     ß   espaçamento normal

 

Correr e saltar obstáculos     ß   esp.  2.6

 

Correr e saltar obstáculos     ß   esp. 4.3

 

Correr e saltar obstáculos     ß   esp. 6.5

 

Facilmente se percebe que basta aumentar um pouco o espaçamento dos caracteres para o texto se tornar muito mais legível, no entanto há que ter atenção ao oposto, ou seja, aumentando em demasia criam-se espaços em branco que dificultam a leitura.

Havendo várias manchas de texto (título, descrição, etc) pretende-se uma organização da informação que seja de interpretação intuitiva.

Criou-se uma hierarquia, chamemos-lhe de relevo, em que faz-se variar o tamanho do tipo de letra consoante a importância do texto. Isto faz com que o utilizador, instintivamente comece por ler o título, porque é a mancha de texto com tipo de letra maior, seguidamente a descrição do exercício, e assim sucessivamente. Facilitando muito e acelerando a interpretação da mensagem transmitida.

Um elemento muito importante é a imagem que ilustra o exercício. O saber popular diz que “uma imagem vale mais que mil palavras” e esta frase tem a sua razão de ser, é bem verdadeira. Na verdade podemos dizer que uma imagem transmite muito mais informação num só segundo que qualquer texto. É, portanto, muito importante que se lhe dê bastante relevo e que esta seja o maior possível, sem desequilibrar a harmonia de todos os elementos constituintes do cartaz.

Quanto às imagens em si, uma das restrições seria manter a mesma com pequenas alterações, por exemplo criou-se apenas um quadrado para envolver a imagem, porque parece bastante simplificada e funciona melhor um bloco preenchido que apenas os contornos.

 

Agradecimentos: 

 

Major Fernandes

Responsável pelo departamento de Educação Física da E.S.E. (Escola de Sargentos do

Exército das Caldas da Rainha)

 

Helder Ventura

Professor de Educação Física

 

Este trabalho foi realizado pelo Grupo 3 da cadeira de Ergonomia

(2001/2002), constituído por:

 

Alexandra Costa _ Carla Garcia _ Maria Inês Pereira _ 2ºDI